Controle concreto

DSC03931Gelado. Congelante. Cubo. O orvalho praticamente se transforma em pedra. E acredito que devo seguir o mesmo. Parar para pensar leva tempo e, parado, o tempo para, pelo menos para você. Paradoxo. Seguir em frente, e matutar com tudo ligado. Caldeiras a 100%. Para esquentar e transformar toda essa matéria sólida em água. Mas lembrando: sem deixar de manter algo duro, impenetrável, só para garantir, entenda. Criamos falsos ídolos, falsos deuses, falsos inimigos, falsas palavras. Sentimos que estamos bem. Conveniência é a força motriz. Quebrar isso pode machucar, fazer mal. Mas, na verdade, saber identificar esse romper significa que o bem e o mal não são importantes. O que importa é contestar.

Concordar. Tem horas que é melhor seguir respirando aqui por baixo, deixar a superfície para o ar poluído e ficarmos admirando o reflexo deturpado do que acontece acima. Tem horas que é necessário queimar tudo. Ver o pó e recomeçar tudo de novo. Sentir o cheiro da derrota diluído no odor repugnante do ar respirado daqueles que te venceram. Ou daquilo que supostamente te abateu. Mas não custa relembrar. A fogueira. A centelha. A faísca que iniciou a combustão foi ateada pelo seu isqueiro, de ferro, sólido. Com noção, sempre.

Um comentário sobre “Controle concreto

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s